#218 – Como uma pessoa iluminada age

#218 – Como uma pessoa iluminada age

 
 
00:00 / 06:18min
 
1X

Já se perguntou como uma pessoa iluminada se comporta? Neste episódio, através de uma ensinamento do meu Sensei, Monge Genshō, ele explica que um ser que age de forma iluminada não gera carma.

Carma significa ação. Ação gera movimento e tem consequências. Esses são os frutos do carma. Carma é ação, são os frutos da ação. Uma pessoa realmente iluminada livrou-se da questão da apreciação de si mesma, do seu “eu”. Então, quando você faz uma ação, é como se ela grudasse em você, no seu eu. Você é como se fosse velcro, em que tudo gruda, e você fica com tudo aquilo. Agora, se você tem uma visão iluminada, as coisas não grudam em você. Como eu falei antes: uma palavra tem um significado para você, mas para um ser iluminado é apenas um som que passou.

Como eu me importo com que as pessoas dizem, e às vezes uma pessoa diz uma coisa e aquilo me incomoda, eu percebo que essa reação não é iluminada, para que seja iluminada tem que ser sem incômodo. Sem esse grudar, nem esse agitar, sem esse mover, o que acontece é que para o iluminado simplesmente passa, não acontece nada e então ele não reage, não há frutos desse movimento. Se alguém diz um palavrão para você no trânsito e se você estiver vivendo um momento comum, você se incomoda. Mas se você estiver vivendo um momento iluminado você faz gasshō e está tudo bem! Não se importa, não se perturba em nada, isso é a reação iluminada e é por isso que a gente pode dizer que para o iluminado não há Carma.

Publicado por

Leonardo Ota

☸️Fundador do Sobre Budismo, praticante do Budismo desde 2011, venho ajudando simpatizantes e iniciantes no #Budismo a entrarem em contato com as práticas e os ensinamentos de #Buda (Dharma).

Acompanhamento Online (Tutoria)

Se na sua cidade não tem grupos budistas, você é simpatizante ou iniciante no budismo, não sabe por onde começar e quer uma direção para iniciar sua jornada, passo a passo, em grupo, do básico ao avançado, clique no botão a seguir:

Deixe o seu comentário