fbpx
  • Palavras de compaixão

    Essa é umas das melhores formas de acalmar a mente estressada

    Uma das melhores formas de acalmar a mente estressada é através do corpo. Da mesma forma que o estresse afeta o corpo de forma negativa, é possível usá-lo para reduzir o estresse a níveis saudáveis.

    Sempre é melhor treinarmos a mente antes que chegue um momento de crise. Uma vez que nossas mentes são profundamente influenciadas pelos sentidos (o que ouvimos, tocamos e assim por diante), caso o estresse atinja um nível de crise, é recomendável que nos retiremos fisicamente do ambiente em questão.

    Isso não significa fugirmos da situação. Pelo contrário, é nos separarmos do ambiente perturbador para, num ambiente pacífico e com as ferramentas da meditação, sermos capazes de ver a situação de forma clara, sem ficarmos cegos pelas emoções ou pelo desconforto físico. Num ambiente mais relaxado é muito mais fácil encontrarmos uma solução para nossos problemas no espaço do estado natural da mente, com compaixão e compreensão.

    Prática para reduzir o estresse

    Com relação à postura, há sete elementos a serem considerados:

    1. De pernas cruzadas, com a perna esquerda para dentro.

    2. A espinha ereta, como uma pilha de moedas.

    3. Ombros endireitados, como as asas de uma águia.

    4. Pescoço ligeiramente inclinado.

    5. Olhos abertos, focados e dirigidos para baixo, cerca de um metro à frente.

    6. A boca entreaberta, com a ponta da língua tocando o palato duro no céu da boca.

    7. Mãos no colo, com a palma direita sobre a esquerda, com os polegares se tocando gentilmente.

    Na meditação da respiração, mantenha a postura ereta e siga a sequência abaixo descrita:

    1. Feche gentilmente a narina direita com um dedo, e faça uma inspiração longa e profunda pela narina esquerda.

    2. No fim da inspiração, prenda a respiração por alguns segundos.

    3. Feche a narina esquerda, abra a direita e expire por ela. 4. Depois inspire pela narina direita, mantendo a esquerda fechada. Prenda a respiração no fim da inspiração e, então, expire pela narina esquerda.

    5. Em seguida, inspire gentilmente pelas duas narinas ao mesmo tempo. Expire com alguma força, para expelir o máximo de ar.

    Ensinamentos por S. Ema. Gyalwa Dokhampa do livro A mente serena

  • Podcast Iluminação Diária

    #148 – Onde buscamos felicidade?

    Sobre Budismo
    Sobre Budismo
    #148 - Onde buscamos felicidade?
    /

    A felicidade é um sentimento belo. É uma mente bela e pacífica.
    No entanto, é assim que geralmente funciona: queremos algo porque pensamos que vai nos deixar felizes. Vamos atrás. Conseguimos. E logo percebemos que não é suficiente, e não mais nos faz felizes. Então queremos outra coisa e a obtemos. E queremos nova- mente ainda outra coisa. Os jovens pensam que os mais velhos, que são mais bem-sucedidos, devem ser felizes. Os mais velhos ainda estão buscando algo que os faça se sentirem importantes. E podemos passar toda a vida correndo atrás da felicidade e nunca a obtendo. E, nesse processo, sacrificamos nossas amizades, nossas emoções e nossa saúde. Algumas pessoas podem acabar sacrificando tudo e não obtendo nada.

    Pense quantas vezes você se sentiu insatisfeito com a mesma coisa com que sonhou conseguir. Muitas pessoas são educadas para usar a insatisfação como uma força de motivação. É o que faz as pessoas trabalharem duro, serem bem-sucedidas, e seguirem “subindo” de alguma forma. A finalidade última da vida é ter padrões cada vez melhores – uma casa maior, um carro mais caro. Nossas mentes de ego nos prendem ao pensamento de que isso é tudo o que precisamos para sermos felizes. Somente essa busca desenfreada ou o fato de encontrarmos a pessoa de nossos sonhos nos fará felizes. O único problema é que devido a nossa tendência de sempre fazermos comparações, tão logo obtivermos o que buscávamos para nos deixar contentes, perceberemos que esse sentimento nunca dura muito, e continuamos nessa busca ininterrupta. 

    Então, de onde nossa felicidade vem realmente? Dessas coisas externas, ou daquela pessoa? Ou é algo que está dentro de nós? Se conseguirmos ver que é algo dentro de nós, é possível também obter controle sobre ela, cuidar dela e fazê-la crescer. 

    Por S.Ema. Gyalwa Dokhampa. Trecho do livro A mente serena.

  • Podcast Iluminação Diária

    #147 – Somos o que pensamos

    Sobre Budismo
    Sobre Budismo
    #147 - Somos o que pensamos
    /

    Se somos o que pensamos, devemos ser cuidadosos com nossos pensamentos, pois nosso mundo externo é construído a partir do que temos dentro de nossa mente.

    Se você deseja realmente melhorar sua vida, procure melhorar primeiro sua mente. Quando escuta um ensinamento, precisa de início relaxar totalmente e abrir-se para receber alguma coisa. Todo recipiente precisa estar aberto para ser preenchido. O que acontecerá se permanecer fechado? Nada entrará nele.

    – Gyalwang Drukpa do livro Iluminação Diária

    Permaneça aberto e a vida será mais fácil. Uma colher de sal num copo torna a água intragável. Uma colher de sal num lago passa quase despercebida.

    – Buda
  • Palavras de compaixão

    Estamos todos no mesmo barco

    Se observarmos o que basicamente o Buda ensinou, veremos que isso nos une e nos coloca em uma posição de igualdade.

    Claro, em determinados níveis somos diferentes, mas no nível mais básico somos todos iguais.

    Podemos iniciar nosso dia com uma frase que aprendi com meus mestres:

    TODOS NÓS QUEREMOS SER FELIZES E NINGUÉM QUER SOFRER

    Ao olhar os outros com compreensão, colocamo-nos no lugar deles, vemos as coisas de seu ponto de vista e reconhecemos que estamos, todos nós, no mesmo barco.

    Gyalwang Drukpa, do livro Iluminação Diária

    O sofrimento

    Todos nós passamos pela mesma condição humana de nascer, viver por um tempo, envelhecer, ficar doente e morrer.

    Isso é comum a todos os seres e isso nos coloca no mesmo barco.

    Quando ficamos chateados ou nervosos com outra pessoa, ao invés de olhar para as diferenças, devemos olhar para o que nos une, que é justamente o fato de que não queremos sofrer, assim como a outra pessoa.

    Esse olhar vai te fazer enxergar a vida de outra forma.

    Mas não podemos ficar apenas na teoria. Quando alguém te ofender, este é o momento de aplicar esse ensinamento.

    No acompanhamento online passo a passo, do básico ao avançado e em grupo que ofereço (Para saber mais clique a seguir ACOMPANHAMENTO) passamos por esse tema, pois é necessário desenvolver esse olhar sutil que só é desenvolvido contemplando e aplicando no dia a dia.

    Quando você ganhar a capacidade de olhar qualquer pessoa nesse nível mais básico, você será capaz de mudar totalmente a realidade e o meio que você vive.

    Ter a consciência de que estamos todos no mesmo barco, ou seja, todos nós queremos ser felizes e não queremos sofrer, vai te dar a capacidade de praticar compaixão e com isso ter uma vida mais significativa e feliz.

    Sem a prática toda teoria se torna desnecessária.