#119 – A Compaixão Como Fonte De Felicidade

#119 – A Compaixão Como Fonte De Felicidade

 
 
00:00 / 20:22min
 
1X

APOIE ESTA CAUSA:
https://apoia.se/podcastiluminacaodiaria

Recado 1:
Se você ouve no Spotify, SoundCloud, Itunes Store ou Deezer, siga, compartilhe, deixe uma avaliação, comente este podcast.

E eu te desafio a compartilhar esse podcast com 3 pessoas.

Recado 2:
Se você deseja comprar um de nossos livros e ganhar de presente um mantra exclusivo, edição limitada de presente, basta, também, clicar no link:
https://livros.sobrebudismo.com.br/

Recado 3:
Quer receber dicas e conteúdo diariamente? Entre no grupo do Telegram clicando no link:
https://t.me/sobrebudismo

Instagram:
https://www.instagram.com/sobrebudismo/

Sobre o autor:
https://sobrebudismo.com.br/quem-e-o-sobre-budismo/

O Que é a Felicidade?

“Como o nosso objetivo e propósito de vida é a felicidade, o que é então a felicidade? Às vezes, o sofrimento físico pode até trazer um sentimento de satisfação mais profundo [como os atletas depois de um treino extenuante.] Por isso, “felicidade” significa principalmente um sentimento de profunda satisfação. O objeto da vida, o nosso objetivo, é então a satisfação.

A alegria, tristeza ou sofrimento – para estes, existem dois níveis: um nível sensorial e um nível mental. O nível sensorial é comum nos pequenos mamíferos, até insectos – e mosca. Quando o sol aparece num clima frio, as moscas exibem um aspecto feliz, voando aqui e ali. Numa sala fria, elas desaceleram, voam devagarinho, dando mostras de tristeza. Mas, se houver um cérebro sofisticado, então há até uma sensação ainda mais forte de prazer sensorial. [Além disso, porém,] o nosso cérebro sofisticado é o maior em tamanho e, portanto, também temos inteligência.

[Considerem o caso dos] seres humanos que não se sentem ameaçados fisicamente. Têm uma vida feliz e confortável, bons amigos, salário e reputação. Mas, mesmo assim, notamos que, por exemplo, alguns milionários embora se considerem que são parte importante da sociedade, muitas vezes eles enquanto pessoas são muito infelizes. Em algumas ocasiões, eu conheci pessoas muito ricas e influentes que mostraram um sentimento de perturbação muito forte. No fundo tinham sentimentos de solidão, estresse e preocupação. Assim, a nível mental, elas sofrem.

Nós temos uma inteligência maravilhosa, e por isso o nível mental da nossa experiência é mais dominante do que o nível físico. A dor física pode ser mitigada ou subjugada por ele. Um pequeno exemplo; há algum tempo atrás eu desenvolvi uma doença grave. Senti muitas dores nos meus intestinos. Nessa época, eu estava em Bihar, o Estado mais pobre da Índia, e passei por Bodh Gaya e Nalanda. Ali, eu vi inúmeras crianças muito pobres. Elas estavam coletando esterco de vaca. Não tinham instalações de ensino e senti-me muito triste. Então, perto de Patna, a capital do Estado, tive muitas dores e suores. Reparei numa pessoa idosa, doente, vestindo roupas brancas, muito, muito sujo. Ninguém estava cuidando dessa pessoa, era realmente muito triste. Naquela noite, no meu quarto de hotel, a minha dor física era muito severa, mas a minha mente estava pensando nessas crianças e nesse velho homem. Essa preocupação reduziu imenso a minha dor física.

Tomem por exemplo aqueles que treinam para os Jogos Olímpicos. Fazem um treino muito forte e, independentemente da quantidade de dor e sofrimento que experienciam, eles se sentem felizes a nível mental. Assim, o nível mental é mais importante do que a experiência física. Por isso o que é na vida realmente importante é a felicidade e a satisfação.” – Por Sua Santidade o 14º Dalai Lama

Publicado por

Leonardo Ota

☸️Fundador do Sobre Budismo, praticante do Budismo desde 2011, venho ajudando simpatizantes e iniciantes no #Budismo a entrarem em contato com as práticas e os ensinamentos de #Buda (Dharma).

Acompanhamento Online (Tutoria)

Se na sua cidade não tem grupos budistas, você é simpatizante ou iniciante no budismo, não sabe por onde começar e quer uma direção para iniciar sua jornada, passo a passo, em grupo, do básico ao avançado, clique no botão a seguir:

Deixe o seu comentário