Sobre Budismo : Budismo, meditação, sabedoria e compaixão para o cotidiano

Topo do mundo


By Breno Airan

Quando alguém sobe em uma montanha, nos épicos gregos, significa que algum confronto, alguma batalha ferrenha está prestes a acontecer. É um sinal gráfico.

É também esta uma metáfora para o enlace do que se é para o vir a ser.

No momento em que um homem ou uma mulher sobe em um local como uma colina, ou entra numa caverna, ou se arrisca no deserto ou se funde à selva, é sinal de enfrentamento. Foi assim com Moisés, Maomé, Jesus e Buda.

Todos eles têm em comum esse desprendimento do mundo exterior para uma autoafirmação de não serem o que, até antes da provação futura, achavam que eram.

E todos eles da mesma forma tiveram na natureza o seu mestre-mor. O mestre, o guru não está em uma pessoa. O professor perene é o dia a dia; é a situação isolada, vivida no presente; é o entorno; é a montanha, a caverna, o deserto, a selva.

O que, então, todos eles buscavam? Este ensinamento. Afinal, por mais que saibamos disso, a aplicação tem que ser por vias de consciência, não de mero conhecimento de tal assunto. Lançar-se ao desconhecido é, paradoxalmente, tomar as rédeas.

É o que coloca o poeta, teólogo e jurista persa que viveu no século 13, Jalal ad-Din Muhammad Rumi em uma de suas máximas mais famosas:

O que você procura está procurando por você.

Às vezes, não sabemos o que estamos buscando até descobrirmos que o próprio caminho é o que tanto ansiávamos, já que nele podemos sempre estacionar no agora.





Nos encontre também: podcast | facebook | instagram | youtube | twitter | email | rss