Se preocupando menos com aparências externas

Se preocupando menos com aparências externas


Pinterest

As pessoas comuns se importam apenas com as aparências externas. Se importam com os compromissos sociais por exemplo, visitas a um parente adoecido, casamentos, aniversários e outros, mas não participam de compromissos relativos a gratidão aos Três Tesouros e as cerimônias à seus antepassados.

Não queremos nos distanciar dos olhos do Buda, das divindades, antepassados e de todos que nos protegem, não é mesmo? Essa é uma história que consta no “Dai shogon ron”.

Certa vez, o Buda Shakyamuni foi para Sravasti. Em virtude disso muitas pessoas se reuniram nesse local. Havia um limpador de fossa chamado “Nidhai”, que fazia o mesmo percurso que o Buda do local de sua pregação. Mas o limpador com os trajes imundos se escondia do Buda por não se sentir digno com sua presença imunda: “Como eu poderia aparecer na frente do Buda assim?”

Então o Buda sabendo dos sentimentos de tristeza, utilizando-se de poderes sobrenaturais apareceu na frente de “Nidhai”. Nidhai disse ao Buda: “As pessoas se prepararam para receber o Buda, aspergindo perfume em todo local, para receber tão valiosos ensinamentos. Eu estou a carregar um cesto de excremento. Como posso ser digno de estar diante da vossa presença?” Dizendo isso ele fugiu mas o Buda apareceu novamente diante dele.

E o Buda disse: “Devido a um elo de bons carmas entre nós é que estou diante de você. Por isso te peço que não fujas de mim. Você tem sujidade pelo corpo mas no seu coração tem méritos maravilhosos, e exala um perfume maravilhoso. Eu não classifico as pessoas por serem nobres, pobres, por castas, classes sociais, apenas vejo os atos, carmas.”

Nidhai ouvindo isso, se emocionou e se tornou um monge. Algum tempo depois se tornou um arhat.
Porém os ricos e os brahmans que se reuniram em Sravasti ao saber que Nidhai havia se tornado monge disseram: “Uma pessoa imunda como ele, vir em minha casa com a sua tigela mendicante é nojento!”

E isso foi parar nos ouvidos do Rei Prasenajit. E o Rei disse: “Eu vou tomar providências para que ele seja excluído da Sangha.” E o Rei partiu para “Jetavana Anathapindadasya-arama” onde o Buda praticava. O Rei ao chegar diante do portão se deparou com um monge de pé diante de uma grande pedra. E a direita e a esquerda desse monge, divindades reverenciavam e aguardavam em Gassho.

Esse monge ao ser cumprimentado pelo Rei, imediatamente desapareceu dentro da pedra como se mergulhasse dentro da água. Anunciou ao Buda a chegada do Rei. E como se surgisse da água, guiou o Rei até o Shakyamuni Buda. E o Rei perguntou ao Buda: “Quem é esse monge maravilhoso que me guiou até aqui?”

E o Buda respondeu: “Aquele é o monge Nidhai. Das pedras da montanha achamos o ouro, e da lama floresce a flor de Lótus. Independente de onde nasce, veja apenas a sua prática e virtude”, aconselhou gentilmente. O Rei então, reverenciou o Buda e Nidhai e se afastou de volta.

E esse é o conteúdo dessa história, que nos alerta para não valorizarmos tanto a aparências externas e valorizarmos as virtudes e as práticas interiores.

Em Gassho!
Rev. Yodo Okuda Shonin
Nichiren Shu Brasil

*crédito da imagem: http://500px.com/photo/64233885/the-young-monk-3-by-alaa-alssadi

Categories

+ There are no comments

Add yours