O que somos e para onde vamos?

O que somos e para onde vamos?


Pinterest

Enxergar nossa verdadeira natureza é enxergar a argila que está por trás de nós. Essa não tem identidade e pode manifestar tudo e em tudo se transformar.

Em minha família, todos que ficaram mais velhos tiveram doença de Alzheimer. Isso nos leva a uma questão interessante: “O que é que nós somos?”. E o que seremos depois? Alguém me perguntou em uma entrevista: “E depois da morte, acaba tudo?”. E minha resposta foi que, dada a maneira como nosso universo funciona, é impossível que alguma coisa acabe.

A primeira lei da termodinâmica é a lei da conservação de energia, ou seja, a energia é constante e só pode ser transformada. A energia pode ser condensada, por exemplo, condensada e transformada em matéria. Matéria, portanto, é energia condensada. Nós somos energia condensada, mas em permanente transformação.

Em outra palestra usei o exemplo do riacho. Sempre que olhamos para o riacho ele parece ser o mesmo, mas todos sabemos que não é o mesmo. A cada segundo uma nova água se apresenta e passado suficiente tempo, os riachos cavam buracos e mudam de curso. Assim é com todo o universo, em constante transformação.

A vida está sempre mudando, sempre se transformando. Poucos minutos atrás estava chovendo, depois abriu o sol, depois chuva e sol e agora somente sol. Todo o tempo é assim, nada é estável, tudo é impermanente e está em constante mudança. Existem duas situações que o Budismo não aceita: uma é o “niilismo”, condição em que nada existe. A outra é o “eternalismo”, ou seja, as coisas continuam para sempre e imutáveis. O mundo não é assim.

É absurdo para o Budismo o termo “alma eterna”, um “eu” que continua para sempre, por toda a eternidade. A vida eterna é um desejo antigo do ser humano, já existiram inclusive expedições em busca da fonte da juventude. A ideia é adquirir uma substância que forneça a juventude e, com isso, a vida eterna, sem doenças e mortes. Muitas religiões criaram o conceito de um “eu” eterno, uma alma que nunca morre, que acumula experiências e se lembra de tudo. Eu não consigo imaginar um castigo mais terrível, continuar preso a esse “eu” com essas exatas memórias, sem poder apagar e me livrar de coisas erradas do passado. Penso que não seria uma boa ideia.

Para o Budismo, todas as coisas são impermanentes e cíclicas. Da mesma forma, para o Budismo uma coisa não pode desaparecer, só existe continuidade. A partir desse raciocínio, só podemos pensar que nós somos continuidade de algo ou alguém, porque não há consequências sem causas.

Esse copo, por exemplo, que aqui está, não veio sozinho, alguém o trouxe da cozinha. Para chegar até a cozinha foi preciso alguém levá-lo até lá, foi preciso alguém comprá-lo e outro alguém fabricá-lo. Podemos ir recuando e sempre encontraremos uma causa para um acontecimento. Mesmo que eu chegue até ao Big Bang da física moderna, ainda poderei fazer o seguinte questionamento: “Mas e antes do Big Bang?”. O tempo não existia, poderia ser a resposta. Pode ser que outro universo de alguma forma tenha condensado energia e dado origem ao Big Bang, não sei. Mas a essência do que estamos falando é que, se é lógico que somos continuidade, senão não estaríamos aqui, também é lógico que existirá uma continuidade de nós mesmos. Mas o Budismo declara que este “eu” que acredito ser minha identidade é temporário, pois ele depende de determinados agregados que são temporários, por exemplo, a memória. Só com memória posso saber quem eu sou, somente com memória pode-se sustentar um “eu” continuado.

Pois bem, se a memória não sobrevive a uma doença como Alzheimer, como sobreviveria ao evento da morte? Sabemos, portanto, que nosso “eu” é temporário, mas que nossa continuidade é certa, assim como a continuidade do riacho. Mesmo que mude a água, o riacho continua. Seria muito tolo perguntarmos para uma nuvem: “Você irá morrer?”. A resposta da nuvem com certeza seria: “Não, eu me transformo em chuva”. Mas, e a chuva, ela morreria quando chegasse à terra? Não, ela se transforma em riacho. O riacho se transforma em rio e o rio em mar e, eventualmente, a água novamente evapora. Novamente teremos uma nuvem. É a mesma nuvem? Não. Mas é a mesma nuvem, a mesma água.

Existe outro símile usado por Hakuin, grande mestre Zen da Escola Rinzai, que diz: “Com argila nós fazemos telhas, incensários, Budas e castiçais. Sou capaz de dizer que essas peças são minhas, mas não digo que essa é minha argila, no entanto, a argila está por trás de tudo”. Ela, a argila, só foi transformada em objetos, mas ainda é argila. Nós que atribuímos identidades ao incensário, ao castiçal e à telha, lhes dando nomes, funções e funcionamento.

Enxergar nossa verdadeira natureza é enxergar a argila que está por trás de nós. Essa não tem identidade e pode manifestar tudo e em tudo se transformar.

Autor: Reverendo Meihō Genshō, discípulo e sucessor de Saikawa Rōshi (atual Sōkan da América do Sul), dirige a Comunidade Zen-budista de Florianópolis e grupos relacionados em vários estados brasileiros.

Este texto foi extraído e editado do portal zen-budista Daissen, mediante autorização.

Imagem

Organização: Rodrigo Daien

Nota do organizador: Com este artigo encerramos nossa participação na seção Zen do site Sobre Budismo. Agradecemos ao Leo pelo convite para cuidar da seção ao longo deste ano, agradecemos imensamente à Isshin-sensei e ao Genshō-sensei, por aceitarem nosso convite para divulgarem aqui seus ensinamentos e reflexões, e a todos aqueles que acompanharam as publicações semanalmente e as replicaram em suas páginas na WEB! Nossos melhores desejos a todos! Gasshō.

Categories

1 comment

Add yours
  1. 1
    Richard

    Excelente texto! É algo que em algumas vezes eu costumo conversar bastante com as outras pessoas, o ser humano por natureza possui a necessidade de criar uma origem para todas as coisas, porém, na verdade, é uma ‘falsa origem’ digamos assim, mesmo que exista um demiurgo que criou todo o universo, como muitas religiões pregam, quem ou o quê criou este projetista? De onde ele veio? E o término que muitas vertentes pregam, criadas pelos próprios seres humanos que são inseguros normalmente, é um ‘falso término’, uma imortalidade, ora, pois se existe uma vida após a morte, então a própria morte em si não existe, no caso seríamos todos imortais segundo essas crenças criadas pelas pessoas. Não sei se o ensinamento do vazio pleno do Zen se aplica nestes casos, mas creio que seja a natureza destes pensamentos.

+ Leave a Comment