O Poder da Paz


Pinterest

O Poder da Paz - Chagdud Tulku Rinpoche - Blog Sobre Budismo

O texto a seguir foi escrito por S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche e foi extraído do site Chagdud Gonpa Brasil.

É meu desejo que o poder espiritual da paz toque cada pessoa na Terra, irradiando de uma paz profunda em nossa mente, atravessando as fronteiras políticas e religiosas, e indo além das fronteiras do ego e da convicção de sermos os donos da verdade. Nossa primeira tarefa como pacifistas é remover os conflitos internos causados pela ignorância, raiva, apego, inveja e orgulho. Com a orientação de um professor espiritual, esta purificação de nossas mentes pode nos ensinar a própria essência de promover a paz. Nós deveríamos buscar uma paz interior tão pura e estável, que seria impossível sermos levados pela raiva diante daqueles que lucram e vivem com a guerra, ou pelo autocentrismo e medo daqueles que nos confrontam com desprezo e ódio.

Uma paciência extraordinária é necessária para que trabalhemos pela paz mundial, e a fonte dessa paciência é a paz interior. Esta paz nos permite ver claramente que a guerra e o sofrimento são os reflexos externos dos venenos da mente. A diferença essencial entre os pacifistas e aqueles que promovem a guerra é que os primeiros têm disciplina e controle sobre a raiva egoísta, o apego, a inveja e o orgulho, ao passo que os outros, devido à ignorância, fazem com que esses venenos se manifestem no mundo. Se você realmente entender isto, nunca se permitirá ser derrotado interna ou externamente.

No Budismo Tibetano, o pavão é o símbolo do bodisatva, o guerreiro desperto que trabalha pela iluminação de todos os seres. É dito que o pavão se alimenta de plantas venenosas, mas transforma o veneno nas cores magníficas de suas penas, sem se intoxicar. Da mesma forma, nós, que defendemos a paz mundial, não podemos nos envenenar com a raiva. Considere com equanimidade os homens poderosos que controlam as máquinas de guerra. Faça o que puder para convencê-los da necessidade da paz, mas esteja constantemente atento ao seu estado mental. Se você ficar com raiva, recue. Se você for capaz de agir sem raiva, talvez seja capaz de transpassar a delusão terrível que perpetua a guerra e seu sofrimento infernal.

Do espaço claro da paz interior, sua compaixão deve se expandir para incluir todos os que estejam envolvidos na guerra; tanto os soldados, cuja intenção é beneficiar, mas que, ao invés disso, causam sofrimento e morte – sendo assim pegos pelo terrível carma de matar – quanto os civis que são feridos, mortos ou forçados a se exilar como refugiados. A verdadeira compaixão brota diante de qualquer tipo de sofrimento, vivido por cada ser, e não é ligada ao certo ou errado, ao apego ou à aversão.

O trabalho pela paz é um caminho espiritual em si mesmo, um meio de desenvolver as qualidades perfeitas da mente e testá-las em situações de necessidade urgente, sofrimento extremo e morte. Não tenha receio de dar-lhe seu tempo, energia e apoio.

Categories

7 Comments

Add yours
  1. 3
    Gustavo Merisio

    Excelente texto, como todos os demais! Acompanho quase diariamente seu site, e recomendo sempre que possível! Grande abraço e continuemos caminhando…

+ Leave a Comment