Sobre Budismo : Budismo, meditação, sabedoria e compaixão para o cotidiano

9 razões do por que o budismo não é uma religião


By Jigme Wangchuck (Leonardo Ota)

Você sabe por que o budismo não é uma religião? Quando eu iniciei no Budismo em 2011, eu não ficava muito preocupado sobre os detalhes do Budismo, mas depois que iniciei os meus estudos, percebi que é importante, não só praticar os ensinamentos, mas também compreender o seu significado.

Sobre esse ponto, geralmente, a primeira coisa que as pessoas perguntam é se o Budismo é uma religião ou filosofia de vida.

Vamos lá:

  1. Não há um Deus. Ao contrário do hinduísmo ou de outras religiões orientais, o budismo não tem um deus central. Isso não significa que os budistas se opõem a um Deus, apenas significa que não existe motivo para se ter um Deus. Ao invés disso, acreditamos na lei de causa e efeito, o Karma.
  2. Buda não é adorado. Embora todo budista compreenda e seja grato pela mensagem que Buda trouxe, eles entendem que ele foi um homem. Embora alguns no hinduísmo o considerem uma encarnação de Vishnu (Krishna), a maioria dos budistas não compartilham dessa visão.
  3. Qualquer um pode ser um Buda. Uma das coisas mais notáveis ​​sobre o budismo é que é muito acessível. “Buda” é apenas um título dado a Siddhartha Gautama por seu domínio sobre si mesmo. Isso significa que ele alcançou a iluminação de forma completa – algo que qualquer um pode fazer, pois todos, independentes do que acreditam, possuem a natureza de Buda.
  4. Autorresponsabilidade. Buda, ou qualquer outro ser iluminado, não é um salvador como no cristianismo. Só porque você acredita nos ensinamentos, não significa que você estará protegido de qualquer coisa; você tem que colocar os ensinamentos em prática para encontrar a verdadeira felicidade que já existe dentro de você.
  5. Não é necessário se converter. O Budismo não é exclusivo para os seus praticantes, mas para qualquer um que queira lidar com sua própria mente e coração para o benefício de todos os seres. Todos os benefícios dos ensinamentos podem ser colocados em prática mesmo que você não siga o budismo, mas tenha uma motivação pura de cuidar de si e dos seres ao seu redor.
  6. Nossa origem é irrelevante. Enquanto a maioria das religiões se ocupam com histórias da criação e do universo, o budismo não se preocupa de onde viemos ou para onde vamos. Por quê? Porque o mais importante é o  momento presente, o agora. Isso significa abandonar o passado e o futuro.
  7. O “cara mau”. Muitas religiões têm um vilão, ou seja, alguém como o Diabo, ou espíritos maléficos, que aterrorizam ou encoraja atos malignos. No budismo, o mal de algo é medido pelo quanto produz sofrimento. A maior causa do sofrimento é o ego e o conceito de dualidade de que estamos separados de tudo. Quando a ignorância básica termina, a verdadeira felicidade começa.
  8. A realidade é baseada na percepção. Não há uma crença sobre o céu ou inferno. Ao mudar nossa consciência para um nível mais elevado, estamos mudando nossa realidade. Essa perspectiva é muito importante. Mudando o mundo interno, você muda a forma de perceber o mundo externo.
  9. Está aberto a mudanças. Todo budista dedica-se apenas a uma coisa: a busca da verdade. Se fosse descoberto que os ensinamentos budistas estão incorretos, os ensinamentos e filosofias devem mudar. Não é um sistema rígido por qualquer meio.

BUDISMO:
POR ONDE COMEÇAR?







Nos encontre também: podcast | facebook | instagram | youtube | twitter | email | rss